terça-feira, 2 de agosto de 2011

Perguntar ofende, sim!

Eu acho uma tremenda palhaçada quem fala que perguntar não ofende. Ofende, sim! E muito, dependendo da circunstância. Hoje, por exemplo, coloquei uma batinha para ir trabalhar. Duas pessoas me perguntaram se eu estava grávida!!! É a morte para uma mulher perguntarem se ela está grávida! Nessa pergunta vêm embutidas a seguintes falas: você está meio gordinha ou tá barrigudinha, hein?

Até para mim que sou magrinha essas falas tem cunho ofensivo, por mais que sejam ditas de forma carinhosa (como foram). Depois que tive meu filho, fiquei com uma protuberânciazinha abdominal que não consigo remover por nada nesse mundo - tá certo que até agora só tentei preces... e nada de exercícios, dietas ou massagens, mas tenho enviado muitas vibrações para que ela me deixe.

Enfim, uma dica para os homens: sejam cavalheiros e jamais pergunte se uma mulher está gestante, por mais redonda que ela pareça. Para as mulheres: não sejam sarcásticas a ponto de estragar o dia de outra.

Aqui estão mais alguns exemplos de perguntas ofensivas:
-Querida, você está mesmo namorando aquele gaaato?
Pensamento: Por que? Eu não sou digna de namorar um homem bonito? Não faço jus à beleza dele?

-Mas você ganha só R$ 800,00, mesmo? Como você vive com isso?
Pensamento: Não é porque eu tenho um salário menor, que o meu dinheiro valha menos que o seu.

-Você é gay?
Pensamento: Será que estou com trejeitos de gay? Por que será que estou dando essa pinta?

Nenhum comentário:

Postar um comentário