quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Eu tenho saudade. Você não tem?

A exemplo de um grande amigo meu que sofre de lonjura, eu sofro de ausência. Sou muito apegada e saudosista. Gosto de ficar lembrando de bons momentos que vivi com boas pessoas. Por exemplo, eu tenho uma saudade danada da minha turma do prézinho. Se eu pudesse convocaria todo mundo pra uma festinha, estilo aquelas que fazíamos em que as meninas levavam salgadinhos, o meninos, refrigerantes, a tia dava o bolo (não literalmente) e o Japão levava os picolés da sorveteria do pai dele. O mais legal era saber que quando ia ter festinha o pai do Japão, por livre e espontânea pressão, doava 32 picolés para a nossa turma. E no final, a gente tinha sempre de levar um pouquinho pra mamãe num copinho de plástico. Era como um ritual pós-festa.

Por falar em ritual pós-festa, tenho saudade também do tempo em que saía com meus amigos sem ter hora para voltar pra casa. Quando chegávamos sorrateiramente de madrugada, pensando que ninguém estava nos ouvindo. Também sinto falta de fazer serenata com o violão e jogar rosas (ou qualquer outra coisa do reino vegetal, sim, porque animais nós nunca jogamos!) na garagem da pessoa que recebia a nossa agradável cantoria.

Sinto saudade da turma da faculdade e uma certa curiosidade pela vida de cada um agora, uma vez que nos separamos há mais de quatro anos... Puxa... Quatro anos!!! Todo mundo certamente mudou muito de lá para cá. Eu, por exemplo, passei a ser mãe. Alguns ostentam empregos legais; outros, nem tanto. Uns mudaram os cabelos; outros, os perderam. Uns já estão casados; outros, bem... tico-tico no fubá, como sempre. Perdoem-me, mas não quero ser ofensiva. De modo algum! Só quero ressaltar o quanto mudamos e o quanto deixamos para trás boas coisas das nossas vidas e que se soubéssemos que seriam tão efêmeras teríamos aproveitado com mais afinco. Se eu soubesse que não teria mais contato com esses meus amigos, certamente teria passado mais horas fora das salas jogando conversa fora.

3 comentários:

  1. Poxa, vou me lembrar disso para agora.

    ResponderExcluir
  2. Sinto falta de tanta coisa que tenho que tomar cuidado pra não sufocar! Ei, eu também sofro de ausência, não só de lonjura! haha

    ResponderExcluir
  3. Puxa, é mesmo, Erre Ponto!!!
    Mas é que o lonjura me marcou mais no seu texto...
    Achei tão lindo...

    ResponderExcluir