quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Olimpíadas: Arremesso de celular

Estou começando uma série de postagens novas. São sugestões de modalidades olímpicas que inventei. A primeira é, sem dúvida, a mais legal: arremesso de celular à distância.
Quem nunca teve vontade de jogar o celular bem longe ao menos uma vez na vida? Seja por ter recebido aquela ligação/mensagem desagradável ou por não ter recebido aquela tão esperada. Ou por ter te despertado na melhor parte do sonho. Ou por ter visto algo de que não gostou no celular do namorado/peguete. Ou, simplesmente, por não deixar você fazer o seu trabalho.

Adoro tecnologia! Apesar do fetiche por coisas antigas. Mas o celular tem se revelado uma benção e uma praga ao mesmo tempo! No banco a nossa relação com celular é péssima. Somos obrigados a atender dezenas de pessoas o mais rápido possível e o cliente pensa que só porque esperou quarenta minutinhos na fila não deve ter respeito com os demais. Acontece muito que o cliente chega ao meu guichê falando ao celular e quer que eu espere ele terminar de falar para atendê-lo. Eu pergunto o que deseja e ele faz um sinal com a mão para eu esperar. Não!!! Eu não espero, não!! Se você está ocupado porque veio ao guichê então? Não quer ser atendido? Vai ser atendido e é agooora!
-Pois não, senhor? No que posso ajudar? - falo enquanto ele fala.
Sinal com a mão.
-Não, senhor. Eu não posso esperar o senhor terminar sua conversa. Há clientes aguardando e eu vou chamar o próximo.
Normalmente as pessoas desligam o aparelho nesse momento, mas quando não acontece eu chamo o próximo, o atendo e saio em seguida do guichê para fazer a pausa de 10 minutos de exercício pra prevenção à L.E.R. Sim! Eu sou implicante! Confesso! Mas é que as pessoas não têm bom senso e acham que eu sou obrigada a esperar eles terminarem seus assuntos (às vezes de negócios financeiros, às vezes amorosos, às vezes só conversa fiada mesmo).
É nesse momento que entra a modalidade olímpica. Eu tomo o celular da mão do cliente e jogo-o o mais longe que conseguir. Como minha agência é pequena, as chances de ele se estraçalhar na parede são enormes.
Há casos em que eu somo os valores a serem recebidos e constato que o numerário está a menor (bancariamente falando). Digo para o boy e ele pega o celular para ligar na empresa e dizer que está faltando dinheiro. Por que raios não deixou pra dizer isso lá??? Ligar do meu guichê ia mudar alguma coisa? Não! Só atrasar o meu serviço em um minuto! E um minuto para quem trabalha no caixa significa três autenticações.
Há casos em que a pessoa não anota o número da conta corretamente. Novamente faz-se uso do telefone móvel. Há casos em que não trazem o CPF pra fazer TED ou DOC. Ó o celular de novo! Há casos de ligarem para passar saldo: "Fulano, tem dois mil na conta. Quer que eu saque quanto?" Por que? Por que?? Por queeee não tirou a droga desse saldo lá fora no auto-atendimento e ligou para o fulano de lá mesmo e que viesse no caixa só para saca dinheiro, então!?

Minha inspiração: o professor revoltado. Isso sim é um cara de fibra!

Um comentário: