sexta-feira, 10 de maio de 2013

Teatro

(Cena 2: Sai Lulu, entra Drummond.)

A flor e a náusea

Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
Uma flor ainda desbotada
ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.
É feia. Mas é flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.
 
Carlos Drummond de Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário