segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Olimpíadas: Campeonato de Desculpa Fiada

A Lei é clara:

LEI No 10.048, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2000. Art. 1o As pessoas portadoras de deficiência, os idosos com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, as gestantes, as lactantes e as pessoas acompanhadas por crianças de colo terão atendimento prioritário, nos termos desta Lei. (Redação dada pela Lei 10.741, de 2003)

Trabalho no guichê preferencial e, às vezes, vejo coisas que me arrepiam os pelos do corpo. As pessoas dão as desculpas mais esfarrapadas possíveis para tentar burlar a legislação. O texto acima é claro e conciso o bastante, mas mesmo assim alguns tentam se enquadrar quando se trata de benefício próprio.

Aparecem pessoas com crianças enooormes no braço, que uma vez no momento do atendimento são colocadas no chão. Para essas pessoas eu digo apenas que o atendimento preferencial é destinado a pessoas com criança DE colo, e não, crianças NO colo. Outras chegam com a criança no caixa e quando começam a ser atendidas passam-na para outra pessoa que a leva para fora da agência. Há mulheres que quando perguntadas se estão gestantes respondem que estão... há um mês. Pessoas na casa dos cinquenta anos, que para tirar proveito se permitem passar por mais velhos numa boa.

Entretanto, o que me mata de desgosto são aquelas que alegam problemas de coluna, renais, cardíacos, ou dizem que têm câncer, fizeram cirurgia ou hemodiálise. Gente isso não é motivo pra atendimento preferencial! Não me interpretem mal, por favor. Não é que eu não tenha compaixão das pessoas enfermas e não me compadeça com a situação delas. Simplesmente, acredito que se o atendimento preferencial pudesse ser extendido a todos esses casos a legislação já o teria feito. Nesse caso, abriríamos a chancela para todos que sofrem de alguma enfermidade: hipertensos, diabéticos, cardíacos, impotentes... Imagine só a cena:
-Bom dia!
-Bom dia! No que posso ajudá-lo?
-Vim descontar esse cheque.
-E porque o senhor está no atendimento preferencial?
-Ah, é que eu sou impotente. E não posso ficar na fila muito tempo porque fico ansioso e isso aumenta a minha impotência.
-Então tá certo. Cadê o cheque?

2 comentários:

  1. Ana, adoro seus textos!! Acho que seu raciocínio segue o mesmo ritmo que o meu, até mesmo na construção! Muita verdade aqui... adorei o desfecho!!! Sempre dou altas risadas passando por aqui e (admito) seus textos nunca me saem da cabeça, sempre me pego refletindo sobre eles.

    ResponderExcluir
  2. É o jeitinho brasileiro...

    ResponderExcluir