terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Por mais prosa em 2015

Oi, blog!

É bom estar de volta, mesmo que seja só de passagem, para lhe desejar um Feliz Ano Novo.
Por falar em ano novo, neste que passou aconteceu algo esquisito, ou melhor, tudo que aconteceu foi esquisito... Acho que por conta disso, não trouxe expectativas para 2015, não fiz as minhas tradições de fim de ano, meus planejamentos, não fiz absolutamente nada! A virada mesmo tentei passar dormindo, mas meu vizinho e seu som estúpido não permitiram. Águas passadas.

Blog, não lhe prometo nada para 2015. Não prometo que escreverei mais textos, que lerei mais livros e nem que serei uma pessoa melhor. Entretanto, tenho uma torcida para esse ano que se inicia. Torço que as pessoas sejam mais presentes umas nas vidas das outras, torço para que elas tenham menos ocupações e mais tempo para o ócio, torço para que elas voltem a ter assunto e conversar entre si, torço para um bug no Whatsapp.

Além da parte financeira, que nunca esteve tão mal desde que eu administro minhas próprias contas, a parte afetiva deixou a desejar. Mais particularmente com relação aos meus amigos. Tenho perdido boas amizades e não tenho conseguido construir novas com a solidez das antigas. Não sei se é porque eu fui alguém mais interessante e agradável do que sou hoje, ou se foram os padrões dos meus amigos que se tornaram rigorosos demais. Também não me preocupo muito com isso. Por falar em preocupação, 2014 também me agraciou com meus primeiros cabelos brancos e não tem sido fácil lidar com a chegada deles. 

Eu disse que não me preocupo, mas lamentar, eu lamento. Sinto muito não ficar mais horas a fio na casa de algum amigo, conversando despreocupadamente. Talvez seja porque as preocupações são tantas que chegam a saltar da cabeça - acredito, mas isso é segredo nosso, que algumas delas saem em forma de cabelos brancos. Todavia, as tarefas e compromissos não nos permitem desligarmos por míseras três horas do mundo lá fora. Por conta disso, 2014 também me brindou com surtos de ansiedade, inúmeras vezes confundidos com algum problema cardíaco. Mas era SÓ ansiedade...

Pessoas ansiosas não conseguem se divertir, porque seu pensamento está sempre no futuro. O presente é um martírio para um pobre ansioso como eu. É nessa hora que entram os amigos. Que conversemos uns com os outros, que tenhamos tempo uns para os outros, que ao sairmos uns com os outros resgatemos a fala, a oralidade, a troca de experiências. Essa é minha torcida para 2015.

2 comentários:

  1. Amém! Que nas calçadas dos nossos corações as pessoas possam estender suas cadeiras de fio e se sentem para saborosas conversas sobre as pequenas coisas da vida... Pois como bem diz o Pensador: "A vida é feita de pequenos nadas
    que a gente saboreia mas não dá valor "

    ResponderExcluir
  2. Ok, google acount acabou de apagar meu comentário. Obrigado, Google. Vamos lá, novamente.
    Conheci seu blog hoje e achei sua maneira de se expressar cativante. Acho até estranho a coisa não fervilhar mais de comentários por aqui. Enfim, desejo a você em 2015 a companhia daqueles amigos, novos ou antigos, que você disse precisar :). Que a vida te cerque de pessoa para baterem daqueles papos aonde consertamos o mundo, mesmo aonde todas as arruelas já estão devidamente fixadas e funcionais.
    E, de preferência, sim, que o whatsapp quebre as pernas um pouquinho para que as pessoas lembrem-se de como era usar o telefone.

    ResponderExcluir