domingo, 8 de março de 2015

Meu adorável Dono de Estabelecimento Comercial

Quando Deus me projetou ele devia estar muito bem-humorado e pensou "Vou experimentar algo diferente hoje, vou fazer uma pessoa meio fora dos padrões pra ver no que dá." E eis que eu vim ao mundo: com cabelo liso e ideias enroladas dentro da cabeça.
Hoje quero falar de uma, entre muitas coisas, que acho linda. Já falei da minha queda por homens de All Star e de ternos esvoaçantes em motocicletas, mas essa semana me dei conta de uma outra coisa que também sempre me chamou a atenção, entretanto nunca havia lhe dado o devido valor. Trata-se nada mais, nada menos que Donos de Estabelecimentos Comerciais.

Quando adentramos em uma loja, normalmente somos atendidos por vendedores descompromissados, sem motivação e que, consequentemente, me fazem sair da loja menos interessada em determinado produto do que quando entrei. Todavia, às vezes, tenho a tremenda sorte de ser atendida por quem realmente entende do assunto e que quer (muito) que eu compre aquele produto. Por exemplo, quinta-feira passada entrei em uma loja de brinquedos para comprar um óculos de natação e tamanha foi minha surpresa quando passei por um homem que conversava com um cachorro! Sim, um homem de aproximadamente quarenta anos batendo o maior papo com um cãozinho de brinquedo! Fui ao final da loja, peguei os óculos e quando voltei não me contive, tive de conversar com o cachorro também. Aquela prosa entre o sujeito e o robozinho de pelúcia parecia tão interessante que quis participar. Fiz-lhe algumas perguntas, as quais ele respondeu com tanta presteza como nenhum outro cãozinho com quem conversei até hoje havia me respondido. 

Depois de "brincar" um pouco, o homem começou a conversar comigo e me explicar sobre toda essa nova tecnologia de animaizinhos inteligentes robotizados para substituir os bichinhos de estimação da garotada moderna. Nem preciso dizer, que ainda prefiro ter peixinhos à Robo Fishes. Mas a disposição do cavalheiro me atraiu de tal forma que até olhei a mão dele e ao perceber que era casado, voltei novamente a atenção para os brinquedos. Mas confesso que o All Star em seus pés me deixou meio abalada... aliança, Ana Paula! ele usa aliança! Foco no brinquedo! Foco no brinquedo!

Mas o fato é que um atendimento diferenciado faz toda a diferença no momento de atrair a atenção de um cliente, mesmo que em potencial. Até hoje o Spock  não me saiu da cabeça e tenho plena convicção que foi pelo empenho do dono da loja que me atendeu. Outra circunstância em que me senti cativada, dessa vez por uma mulher (que nem faço ideia se usava aliança ou não!), foi quando a dona de uma lanchonete resolveu me dar uma aula sobre a comida que ela vendia. Não que eu seja lá muito interessada em temperos culinários e modos de preparo da massa, contudo, ela poderia somente ter anotado minha pizza de calabresa e falado "próximo". Só que ao optar por me explicar outras coisas das quais eu nem imaginava, ela plantou a sementinha da curiosidade na minha cabeça e sim, amigo leitor, serei obrigada a voltar lá e comer o calzone à moda da casa.

Por essas e outras experiências ainda consigo ter o mínimo de satisfação em ser consumidora. Um dia escreverei uma lorota sobre alguns vendedores que já cruzaram meu caminho e daí vocês verão porque caio de amores quando sou bem atendida. Lembre-me, por favor!

Um comentário:

  1. Eu não!!! Nada disso!
    Quem vai te lembrar de escrever a lorota vai ser o Spok!!!

    ResponderExcluir